PARA CONHECER O DIREITO POSITIVO A PARTIR DO PENSAR COMPLEXO

  • Mauro Barroso Andrés Universidade Federal do Tocantins
  • Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira Universidade Federal do Tocantins
  • Maria José de Pinho Universidade Federal do Tocantins

Resumo

RESUMO

Artigo que discute os paradigmas epistemológico e metodológico aplicáveis às pesquisas científicas cujo objeto seja o Direito Positivo. Apresenta as perspectivas teóricas de Hans Kelsen (Teoria Pura do Direito) e Miguel Reale (Teoria Tridimensional do Direito). Toma como referencial os valores democráticos para analisar e criticar tanto o paradigma epistemológico e metodológico tradicional, apoiado na especialização disciplinar, quanto o emergente, calcado no pensar complexo e na interdisciplinaridade e transdisciplinaridade. Conclui que os paradigmas epistemológico e metodológico emergente promovem o diálogo e a interação tanto entre sujeitos quanto entre disciplinas, sem o abandono de suas identidades; o pensar complexo, como base epistemológica, e a interdisciplinaridade e a transdisciplinaridade, como base metodológica, são adequados à produção de conhecimento científico cujo objeto seja o Direito Positivo conforme os ideais democráticos.

 

Palavras-chave: Direito Positivo. Interdisciplinaridade. Pensar complexo. Transdisciplinaridade.

Biografia do Autor

Mauro Barroso Andrés, Universidade Federal do Tocantins

Mestre em Direito pela Universidade Gama Filho (Rio de Janeiro) e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Letras pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). É professor do Curso de Bacharelado em Direito do Centro Universitário Tocantinense Presidente Antônio Carlos (UNITPAC).

Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira, Universidade Federal do Tocantins

Pós-Doutor em Letras (Terminologia Gramatical e Ensino de Língua Portuguesa) pela Universidade da Beira Interior (Portugal) e em Letras Clássicas (Latim), pelo Laboratório de Letras Clássicas da Universidade Federal da Paraíba; Doutor em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo. É professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Maria José de Pinho, Universidade Federal do Tocantins

Pós-Doutora em Educação pela Universidade de Algarve (Portugal). Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É membro da Rede Internacional de Escolas Criativas: construindo a escola do século XXI (RIEC, Coord. UB/Espanha) e professora da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Publicado
2018-09-19
Como Citar
AndrésM., OliveiraL. R., & PinhoM. J. (2018). PARA CONHECER O DIREITO POSITIVO A PARTIR DO PENSAR COMPLEXO. Revista Contexto & Educação, 33(106), 99-118. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2018.106.99-118
Seção
Dossiê: Pensamento Complexo e Transdisciplinar: desafios educacionais