DESOBEDIÊNCIA CIVIL E NÃO VIOLÊNCIA

  • José Alcides Renner Faculdades Integradas de Taquara

Resumo

Este artigo trata da não-violência, considerado como um dos elementos caracterizadores do conceito de desobediência civil mais insistentemente reclamados na doutrina. Inicia com uma abordagem das dificuldades de conceituar violência e apresenta as diversas espécies de violência, bem como as razões pelas quais se considera que a desobediência civil deva ser não-violenta. Distingue, tendo como base o conceito de (não)violência, entre desobediência civil e desobediência revolucionária. A partir da análise das concepções de (não)violência de Jean-Marie Muller e de Johan Galtung, propõe-se uma nova definição de (não)violência e sua (in)compatibilidade com o conceito de desobediência civil.

Biografia do Autor

José Alcides Renner, Faculdades Integradas de Taquara
Doutor em Direito pela Universidad de Deusto/Espanha, Professor e Coordenador do Curso de graduação em Direito das Faculdades Integradas de Taquara, ex-professor do Programa de Pós-graduação em Política Social da Universidade Católica de Pelotas
Publicado
2018-04-20
Como Citar
RENNER, José Alcides. DESOBEDIÊNCIA CIVIL E NÃO VIOLÊNCIA. Revista Direitos Humanos e Democracia, [S.l.], v. 6, n. 11, p. 328-353, abr. 2018. ISSN 2317-5389. Disponível em: <https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/direitoshumanosedemocracia/article/view/6649>. Acesso em: 15 ago. 2018. doi: https://doi.org/10.21527/2317-5389.2018.11.328-353.